Sede de dominação

eduardogaleano

A humanidade precisa ultrapassar esta fase e virar o jogo. Muitas pessoas  se acham donas da verdade e só são favoráveis a quem pensa como elas, são surdas e cegas ao seu entorno, com sua visão limitada e ensimesmada da vida.

Há quem tenha, por egoísmo, maldade, mediocridade, este estilo de viver. Se esquecem do planeta, da natureza,  de sua comunidade. Muito do que poderia ser feito por cada um de nós, acaba se perdendo, por pessoas que se acham no direito de impedir o próximo em suas iniciativas, por se julgar superior. Imaginem como o mundo seria melhor,  se as ideias bloqueadas por interesses de outrem fossem disseminadas e filtradas por êxito e não pelo desejo do outro. Quantas coisas são criadas para o bem comum e não vem a público?!

“A Síndrome do pequeno poder faz com que as pessoas venham a imaginar que detêm um poder maior do que as outras. Muitas vezes este poder imaginário é proveniente de tradições de fundo dogmático, religiosas, pela força bruta e/ou abuso de pessoas fisicamente e/ou psicologicamente mais vulneráveis ou por deficiências de relacionamento interpessoal, ou mesmo distúrbios de personalidade, por parte do agente. O problema é quando ele é usado confrontando a legislação atual seja no caso de um espancamento de um filho, cônjuge ou idoso, na perturbação do sossego ou no assédio moral em ambientes de trabalho.

No caso da violência contra as mulheres, foi criada no Brasil a lei Maria da Penha, a qual ajuda vítimas, mulheres, que sofreram com abuso em casa. No caso da violência contra crianças e adolescentes, foi criado o estatuto da criança e do adolescente. É válido notar que mesmo antes da existência da lei Maria da Penha, o Artigo 129 do Código Penal Brasileiro já versava em seus parágrafos 9, 10 e 11 sobre o aspecto agravante da pena em caso de agressão contra familiares, fossem eles ascendente, descendente, irmãos, cônjuge ou companheira/o, ou com quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda, prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade.

Este síndrome traduz-se num tipo de violência que atinge tanto mulheres como homens, independentemente de estatuto, profissão ou idade. No entanto é de notar que todas as meninas e mulheres são vítimas diariamente em várias áreas e níveis de gravidade: da convivência social à violência doméstica, do acesso à educação às condições laborais, uso fruto de direitos básicos e liberdade. Isto deve-se à prevalência da concepção patriarcal, mesmo nas sociedades ditas desenvolvidas, que assenta precisamente na ideia de que os homens são seres superiores e devem deter o poder em relação também às mulheres.
Coação fazendo uso indevido dos poderes judiciais e sociais, como a denúncia caluniosa, a alienação parental e outros formas de controlo e punição geradas for falsas acusações de violência .”     wikipedia.org

Poderiam gastar esta energia, criando soluções para um mundo melhor e mais justo para todos.

Pequenas ações podem revolucionar o mundo. Quando vão  acordar para  e enxergar, ter empatia e solidariedade sem parcialidade?!

🙄

Anúncios

Sobre Jarcy Tania

Professora aposentada, arte-educadora, artista plástica brasileira.
Esse post foi publicado em cultura, educação e marcado , . Guardar link permanente.

Obrigada por comentar. Volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.