‘Professor é profissão. Educador é vocação’. (Salomão Becker)

Recebi por e-mail e partilho com vocês.

91698yw

São Paulo, 1947. Endereço: uma pequena escola no número 1520 da Rua Augusta, onde existia o Ginásio Caetano de Campos, conhecido como “Caetaninho”. O longo período letivo do segundo semestre ia de 01 de junho a 15 de dezembro, com apenas 10 dias de férias em todo este período. Quatro professores tiveram a ideia de se organizar um dia de parada para se evitar a estafa – e também de congraçamento e análise de rumos para o restante do ano. O professor Salomão Becker sugeriu – inspirado por uma lembrança de sua infância – que o encontro se desse no dia de 15 de outubro e que fosse chamado ‘Dia do Professor’. A celebração, que se mostrou um sucesso, espalhou-se pela cidade e pelo país nos anos seguintes, até ser oficializada nacionalmente como feriado escolar pelo Decreto Federal 52.682, de 14 de outubro de 1963. Em seu Art.3, definia-se a essência e razão do feriado: “Para comemorar condignamente o Dia do Professor, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias”. (Conheça todos os detalhes acessando o site www.unigente.com – Ícone ‘Sérgio Becker’. Ao pé da página clique em ‘Dia do Professor’).

aguia

Sobre minha experiência, na escola de antigamente, que deixou saudade:

Lado A
——-
Aprendi disciplina e educação em casa,  a ler e a escrever com sete anos em escola pública, com uniforme engomado e bem passado, sapatos engraxados e brilhando, cabelo impecável, tive aulas educação moral, semana da pátria com fitinha verde-amarela presa com alfinete dourado, no bolso da camisa com emblema da escola, aulas de desenho geométrico, artes manuais, música, dança-rítmica com faixa, bambolê, bola, educação física com ginástica mesmo, daquelas de fazer barra, sessões de abdominais, corrida, andar na barra. Vestibulinho pra entrar no colégio, vestibular “eliminatório” pra entrar na faculdade, com direito a prova de habilidade específica (arte no caso, prova de desenho de observação, de memória), num curso onde se bombava, perdia o ano mesmo, caso não atingisse os objetivos propostos e com notas maiores de 7. Tudo na minha vida foi com o sacrifício e luta dos meus pais, das famílias amigas, dos parentes que se ajudavam, trocando uniformes quando não serviam e estavam em bom estado, assim como sapatos, livros. Posso afirmar que tudo isso me deu caráter e agradeço a Deus por isso.

Lado B
——-
Os colegas que não podiam andar alinhados, ter livros, mesmo que emprestados, não tinham sapatos, também os que tinham problemas de aprendizagem, eram muito discriminados pelos colegas, os que não conseguiam acompanhar as aulas, acabavam saindo da escola, junto com os que começavam a trabalhar cedo, mesmo sem terminar o ginásio, tive muita pena. Fiz muitos amigos, alguns são amigos até hoje, acompanhei o sucesso, os tropeços, as desistências da vida de alguns mais fracos. Tenho colegas que foram favelados e hoje são doutores, já chorei pelos que ficaram pelo caminho. É a nossa vida possível, não é mesmo?!

 

 

Feliz dia do professor!

Lutamos pelo retorno da dignidade humana de ter educação e conviver socialmente uns com os outros de forma construtiva, conhecimento científico e tecnológico para o bem de todos, muitas vezes com sacrifício de deixar de lado convicções pessoais que nos fariam egoístas, ante os mais necessitados. Que a educação receba de volta o valor que nunca deixou de ter e trate, remunere e incentive dignamente seus professores.

Meus alunos tem tudo na escola, dado gratuitamente pelo governo, pago com nossos impostos. Tudo pouco usado, quase nada assimilado, muito discutido, insistido, trabalhado a exaustão, a maioria não retém o básico, a maioria não consegue se expressar na língua pátria mãe, não sabem cálculo elementar, gostam de música internet, se relacionam uns com os outros de maneira superficial, tem muito medo de se expor, faze-los ler, dançar, deixar-se fotografar ou filmar é só com muita conversa e acordos, mesmo assim poucos se aventuram, trabalho colaborativo, sem moeda de troca, nem q seja um ponto é impossível. Boa postura, física e pessoal, conhecimento e cultura generalista são bens muito raros, quando aparecem somos tomados por tal encantamento que as vezes somos ridicularizados, tempos de bulling ao vivo e online.

O trabalho não me assusta, a indiferença sim.

Vivas, para meus valentes mestres de vida,

aos amigos  e colegas de profissão.

 

Beijos pra vocês

16634

Anúncios

Sobre Jarcy Tania

Professora, arte-educadora, artista plástica brasileira.
Esse post foi publicado em educação, Notícias e política, Organizações. Bookmark o link permanente.

Obrigada por comentar. Volte sempre!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.